2 - TEXTOS EVANGÉLICOS.

2. Não vamos aqui logo repetir todos os textos citados pelo pastor em abono de sua tese, porque temos que analisá-los cuidadosamente mais adiante (capítulos 4.° a 8.°), não só os apresentados por êle, senão também outros alegados pelos seus colegas sôbre o mesmo assunto. Queremos apenas dar uma amostra de como os textos eram mesmo de impressionar o desprevenido ouvinte que não tivesse um conhecimento completo da verdadeira doutrina do Evangelho. Veja-se, por exemplo, o seguinte trecho do Evangelho de S. João: Assim amou Deus ao mundo, que lhe deu a seu Filho Unigênito, para que TODO O QUE CRÊ NELE NÃO PEREÇA, MAS TENHA A VIDA ETERNA, porque Deus não enviou seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Êle. QUEM NELE CRÊ NÃO É CONDENADO, MAS O QUE NÃO CRÊ JÁ ESTÁ CONDENADO, porque não crê no nome do Filho Unigênito de Deus (João III-16 a 18)
Textos como êstes que asseveram tão abertamente — quem crê em Jesus se salva, quem não crê se condena — seriam suficientes para convencer qualquer pessoa: 1.° se não fôsse tão ímpio, tão absurdo, e, portanto, tão indigno dos lábios de Jesus o que se quer provar com êles, ou seja, a doutrina de que, para o homem salvar-se, basta que tenha fé em Cristo e nada mais; 2.° se não houvesse outros textos, igualmente claros, dos Evangelhos, para nos provar a necessidade das boas obras para a conquista do Céu, como êste por exemplo: Bom Mestre, que obras boas devo eu fazer para alcançar a vida eterna?… SE TU QUERES ENTRAR NA VIDA, GUARDA OS MANDAMENTOS (Mateus XIX-16 e 17).

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License